sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Banheiro

Ir à casa de banho nesta universidade é uma aventura. Bem, talvez não na universidade inteira, mas neste edifício é de certeza. Estou no Instituto de Ciencias Exactas (ICEX), que tem a forma de um quadrado com 4 andares e muitos corredores e recantos. O ideal para a gente se perder. Acho que seria o cenário ideal para um filme de terror e já estou a imaginar a vítima a fugir do assassino por estes corredores à noite, até porque aqui é tudo aberto e deve estar uma escuridão daquelas depois do sol se pôr. Pronto... voltando ao tema do post... a casa de banho. Nos 3º e 4º andar situam-se gabinetes e laboratórios e por aqui todas as casas de banho estão fechadas e é preciso ter-se chave. A parte boa é que a chave é igual para homens e mulheres, o que ajuda tendo em conta que estou no departamento de fisica onde apenas 10% são mulheres. A parte má é a cara de pau de ver alguém passar no corredor e dizer "importa-se de me abrir a porta da casa de banho?". Há 10 minutos atrás lá fui para o corredor, plantar-me em frente ao banheiro à espera que alguém passasse. Estavam lá dois senhores a discutir fisica avançada e achei mau interromper aquela discussão cientifica sobre electrões e propriedades magneticas e afins para pedir a chave e decidi ir ao departamento do lado... o de matemática. Aí encontrei casas de banho abertas... uma para homens outra para deficientes! E as mulheres? Corri tudo ali em volta e nada! Muito bem, mas que discriminação, ou será que há mais deficientes que mulheres (ai de quem fizer algum comentário machista a este post). Com isto tudo já tinha passado um tempão e começava a ficar aflita e fui mesmo à dos deficientes. Era enorme que nem um salão de baile e achei piada ao pormenor do sabão liquido estar numa garrafa de pepsi com um furo na tampa. Viva o estilo brasileiro de resolver as coisas, que se formos a ver não é assim tão diferente do português.

3 comentários:

José disse...

Szczecin no Brasil? Bom estou apenas a brincar mas vejo que a tua vida é um contraste. Vais do frio da Polonia para o calor do Brasil. Por sinal tenho histórias com esses dois países apesar. Primeiro o Brasil, que pessoalmente dispenso excepto as praias e o sol, e agora a Polónia que me congratulo excepto imensas coisas. Enfim... Mas que tudo corra bem por esse país onde se fala Português e por onde temos de usar um dicionário para nos adaptarmos à língua local... é que com a nossa não dá muito jeito.

Anabela disse...

Grande aventura a tua....e vão aparecendo as peripécias que ultrapassas com graça . Mas que tudo te corra bem nesse País.

Anabela disse...

Grande aventura a tua....e vão aparecendo as peripécias que ultrapassas com graça . Mas que tudo te corra bem nesse País.